The meeting of the waters near Manaus
The meeting of the waters near Manaus
View on top of the rainforest
View on top of the rainforest
Inside the forest
Inside the forest

Amazônia

A categoria superlativa se aplica a Floresta Amazônica em vários aspectos. Ultrapassando os limites das fronteiras do Brasil, a Floresta Amazônica compreende parte do território das Guianas, Suriname, Venezuela, Colômbia, Peru, Equador e Bolívia. São cerca de 5,5 milhões Km2, com 60% desta área em território brasileiro.

Geopoliticamente, denomina-se Amazônia Legal, os estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Pará, Amapá, Roraima, Tocantins e parte do Maranhão, onde são incluídas além das florestas, áreas de cerrado e campos naturais.

No aspecto hidrográfico os rios da Bacia Amazônica descarregam 1/5 da água doce que vai para os oceanos. Neste sistema fluvial, os rios são diferentes quanto ao tipo de água e sedimentos, que variam conforme suas nascentes. Há rios de águas brancas, águas pretas e águas claras, estes últimos já no estado do Pará. Na região de Manaus dois tipos são destacados: água branca nos rios Solimões e Amazonas, e água preta no rio Negro.

Vendo este cenário em menor escala, um mosaico de diferentes ambientes abriga uma megabiodiversidade, conferida principalmente por insetos e outros grupos invertebrados.

Entre os insetos, os besouros (Coleoptera), moscas e mosquitos (Diptera), mariposas e borboletas (Lepidoptera), são grupos que apresentam número de espécies na casa dos milhares.

Cerca de 7800 espécies de borboletas são conhecidas para a região Neotropical e ¼ deste número está na Amazonia.  Apesar de parecer muito, este número está longe de ser fiel ao número de espécies que ainda não constam nos registros científicos. Este fato coloca a região amazônica entre as áreas prioritárias para a produção de inventários de borboletas, onde esperamos acrescentar muitas outras contribuições.